Resumo Triste fim de Policarpo Quaresma (Lima Barreto) *Contém spoiler

Juliescreveu
Juliescreveu

Publicado através de folhetins em 1911 e impresso em livro posteriormente (1915), Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, é uma das mais importantes obras do Pré-Modernismo brasileiro, e retrata a vida da classe média do Rio de Janeiro da época. A narrativa é dividida em três partes, que nos contam sobre projetos de grande idealismo patriota, seguidos de irônicas e reflexivas decepções, vivenciadas pela personagem principal.

Julgado incapaz de juntar-se ao Exército, Policarpo Quaresma trabalha na administração militar, e apesar de não ter essa patente, fica conhecido como Major Quaresma. Na primeira parte do livro tomamos conhecimento da maneira como ele inicia seus intensos estudos sobre o Brasil, tornando-se um dedicado e ingênuo nacionalista.

Nas horas vagas, além de ler os livros que compõem sua enorme biblioteca, Quaresma começa a ter aulas de violão, instrumento mau visto e marginalizado, porém considerado por ele como a mais pura e tradicional forma de expressão brasileira. Ele também se dedica ao tupi-guarani, e acaba num manicômio após ser ridicularizado por mandar ao Congresso Nacional um requerimento de que essa se tornasse a língua oficial em nosso país.

Na segunda parte vemos um Policarpo dedicado em tirar seu sustento do plantio, por acreditar na produtividade das terras brasileiras. Entretanto, a agricultura daquela época estava em grande abandono político e social, e novamente o protagonista se decepciona com a dura realidade de descaso e indiferença que o cerca.

Finalmente chega à conclusão de que somente um governo fortificado é capaz de mudar o sistema de uma nação, e em sua última aventura decide auxiliar na reforma de Floriano Peixoto. Apresenta-lhe um memorial sobre erros da legislação e possíveis resoluções, e, além de desprezado, é interpretado pelo político como um visionário. Após mandar-lhe outra carta, onde fala sobre seus inconformismos em relação à violência da revolta, Policarpo é preso, e espera por sua morte de maneira indigna e trágica, após muito acreditar na pátria e acabar aniquilado por ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *