Resenha Sobrenatural – A Origem (Contém Spoiler)

Quinn esta no último ano do colégio, mora com seu pai e irmão mais novo e acredita que sua mãe, falecida há poucos meses, esta tentando se comunicar com ela. Ela decide recorrer a uma médium, Elise, que após ouvir sua história descobre que a garota anteriormente tentou entrar em contato com o espírito da mãe, algo perigoso e que pode despertar outros espíritos. A mulher diz que não pode ajudar pois já não trabalha mais com esse tipo de coisa, e Quinn continua presenciando coisas estanhas e sem explicação lógica. Certo dia, é atropelada enquanto atravessava a rua após se distrair com um homem que lhe acenava de longe, quebrando assim os braços e as pernas antes do término das aulas. Os acontecimentos sobrenaturais só pioram a partir de então.

Assisti no cinema sem saber, mas pelo que entendi em outras resenhas, esse filme (de título original Insidious – Chapter 3) é na verdade o terceiro de uma franquia, e se passa antes dos acontecimentos do primeiro e do segundo filme. Nele, é explicado o motivo pelo qual Elise reluta em continuar trabalhando como médium, além da maneira como ela conhece dois caça-fantasmas e com eles forma uma equipe. Talvez minha decepção fosse maior caso eu tivesse assistido aos outros dois filmes, ou não, mas minha opinião provavelmente seria a mesma.

Dammit
Dammit

Não sei se o problema é comigo por não saber escolher filmes de terror, ou com o gênero em si, principalmente no que diz respeito à atualidade. Só sei que é muito difícil para mim assistir algum filme do tipo que eu não acabe por considerar extremamente forçado e apelativo, no final das contas. Esse foi, sem dúvidas, o caso onde isso mais aconteceu. Eu poderia fazer uma lista com todos os pontos que não gostei na história, mas é muito mais fácil dizer que não gostei de praticamente nenhum aspecto dela.

Primeiramente, as personagens no geral são muito rasas, o que faz com que o envolvimento com a trama acabe sendo muito pequeno. Os acontecimentos paranormais ficam cada vez mais exagerados com o decorrer do filme, e apesar de alguns sustos iniciais que podem sim ocorrer, com o tempo você percebe os métodos utilizados pela produção e consegue até rir ao invés de sentir-se minimamente assustado.

A protagonista Quinn sofre ataques físicos durante o filme todo e se quebra inteira, mas após se livrar da possessão milagrosamente aparece curada de tudo, algo muito estranho levando em conta que isso é algo que deveria deixar-lhe graves sequelas. Seu irmão mais novo só é útil na trama para falar ao pai sobre os caça-fantasmas da internet, que por sinal são personagens que trazem um humor bem inconveniente para a história. Pior do que tudo isso, na minha opinião, é o fato de Elise ser considerada tão boa ao contatar e se livrar de espíritos enquanto sua luta com eles envolve apenas empurrões, além do fato de ela aparentemente ser incapaz de visitar o mundo dos mortos sem trazer de volta alguns novos para lhe atazanar, algo que fica bem explícito na última cena do filme.

Acho que ficou claro que definitivamente não gostei do filme, e não tenho pretensão alguma de tentar ver os dois anteriores ou possíveis continuações da franquia. Apesar de minhas péssimas experiências, contudo, ainda tenho esperança de um dia assistir algum filme de terror que consiga cumprir seu papel de envolver e aterrorizar ao invés de somente apelar para dar sustos e exagerar na hora de inovar.

4 Comentários


  1. Eu já não gosto de filme de terror.. Depois de ler tua resenha já considero esse filme completamente descartado kkk

    Responder

  2. Julie, eu AMO essa franquia! Amo filmes de terror, e em relação aos mais recentes, esses realmente me surpreenderam. Eu achei totalmente inovador, embora seja dentro do terror a temática é um pouco diferente do que costuma ser atualmente. Caso você assista aos outros, me conta o que achou.
    Ps: dos três, esse é sim o mais fraco! Mas mesmo assim eu gostei, esperei muito pra que saisse <3

    Responder

    1. Que engraçado, Barbara, eu realmente não gostei. Caso eu assista algum dos outros, conto sim o que achei. Talvez esse seja mesmo o mais fraco.

      Responder

Deixe uma resposta para juliescreveu Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *