Resenha filme O Pequeno Príncipe (2015)

Como descrever com palavras a emoção de assistir a adaptação de uma das histórias mais belas de todos os tempos, rica em ensinamentos e que continua marcando a vida das pessoas mesmo após seus setenta e dois anos de lançamento? Como relatar em um único texto todos os detalhes desse filme que consegue honrar a obra original e ainda inseri-la de maneira bem sucedida em um contexto atual? A nova animação de O Pequeno Príncipe, dirigida por Mark Osborne, surpreende e encanta. Assisti-la no cinema é um privilégio para todos, independente de serem ou não fãs do livro de Antoine de Saint-Exupéry.

O enredo conta com uma garotinha (sem nome) filha de mãe obsessiva, que aparentemente sofreu decepções em sua vida e para compensar elabora um plano a fim de garantir que ao menos a filha consiga se realizar profissionalmente. A garota é uma perfeita cópia da mãe, completamente focada em ser aceita em uma escola prestigiada da cidade, sacrificando para isso qualquer momento de distração que todas as crianças normais deveriam ter. As duas se mudam para uma casa mais próxima da escola, e a mãe desenvolve uma rígida rotina para a filha seguir durante as férias de verão, na qual são contados até os minutos para o café da manhã. Acontece que na excêntrica casa ao lado mora um estranho senhor, considerado maluco por todos no bairro, que tem um avião no quintal e logo causa um estrago na casa das novas vizinhas. O senhor não é ninguém menos do que o piloto que anos atrás conheceu o pequeno príncipe no deserto após uma pane em seu avião.

UOL Cinema
UOL Cinema

O filme intercala a história do livro com momentos atuais, conforme o piloto a conta para a garota. Apesar de ir completamente contra o plano de sua vida fazer amizade com alguém, seu lado curioso e aventureiro, que ainda existe mesmo que soterrado por todas as preocupações adultas com o futuro, faz com que ela se aproxime dele simultaneamente aos momentos em que o pequeno príncipe e a raposa cativam um ao outro e tornam-se amigos.

O trailer em momento algum deu indícios do que aconteceria, e o filme acaba tomando um rumo inesperado. Inicialmente é possível se assustar e até mesmo desconfiar um pouco disso, como costuma acontecer quando pisamos em um terreno novo, mas logo tudo faz sentido e o clímax criado nos prende até o desfecho da história, que em nada deixa a desejar.

Comigo simplesmente não rolou medo prévio de uma possível decepção; só de saber que finalmente veria as cenas de um dos meus livros favoritos em uma tela de cinema, e que poderia ouvir e acompanhar todas as frases e trechos de uma história que eu tanto aprecio (e já sei de cor), a experiência já valeria completamente a pena e eu sairia da sala de cinema com um enorme sorriso no rosto. Não estar esperando por nada além disso acabou tornando tudo ainda melhor para mim; assisti na estreia e me surpreendi com um filme que superou todas as minhas expectativas.

Almanaque Virtual
Almanaque Virtual

A dublagem das personagens, dessa vez, foi muito bem feita principalmente no que se refere a história original do livro, que tem suas cenas intercaladas com os acontecimentos atuais e é feita em stop-motion. É preciso dar um destaque à raposa, que além de ter uma voz em português que enfatiza ainda mais suas falas, para mim as melhores de todo o livro, possui uma versão em pelúcia muito meiga e engraçada, que não tem boca e se torna grande companheira da garota.

A crítica presente no livro foi muito bem trabalhada no filme, que usa bastante o termo essencial e retrata uma sociedade completamente focada em profissionalismo e dinheiro, abrindo mão de toda a ingenuidade e alegria em busca de algo que possui um valor totalmente questionável. É até mesmo pesado assistir o modo como vivem as pessoas do bairro, que parecem zumbis seguindo uma rotina sem fim de casa e trabalho, nunca fazendo nada além disso e ainda por cima criticando qualquer um que busque sua felicidade de outra forma. Sem perder o encanto para as crianças, o filme nos faz refletir a respeito do que é realmente essencial em nossa vida e o que almejamos somente porque todos almejam também, fazendo parecer que isso é o certo e que essa é a melhor maneira de se viver. Mas não é. É sim preciso estabelecer objetivos nesse mundo onde é tão difícil viver sem o mínimo de condição financeira, mas a partir do momento que isso se torna o principal em nossas vidas, nos impedindo de desfrutar os momentos de paz e simplicidade, é preciso rever nossos conceitos ou então morrer em busca de ganhar mais dinheiro sem ao menos ter se dado conta de que as coisas mais bonitas desse mundo são de graça.

Brasil Post
Brasil Post

Além da famosa frase “o essencial é invisível aos olhos”, presente na trama mesmo que indiretamente, também é muito falado que na verdade o problema não é crescer, mas sim esquecer. O piloto mesmo nos prova que é sim possível se tornar um adulto não contaminado por valores que não são essenciais, e tudo o que ele aprendeu foi com um curioso garotinho de cabelos cor de trigo, único habitante do asteroide B612, que amava uma rosa e queria um amigo. O filme trabalha também a questão da perda, o que o torna ainda mais emocionante. Além disso, é inspirador a maneira como a garota se libera das correntes que a prendem e de todas as limitações impostas por sua mãe, em busca de algo que ela descobre ser realmente importante para ela: liberdade para viver sua infância.

Sem dúvidas a melhor animação que assisti em muito tempo, O pequeno príncipe é encantador do início ao fim, e assim como o livro, recomendado a pessoas de todas as idades. Se me permitem dar um conselho, só tenho uma coisa a dizer: aproveitem enquanto ainda esta passando nos cinemas e assistam. Depois, assistam novamente na TV ou no computador. E leiam o livro. Não há nada a perder, e muito mais a ganhar com essa história do que se pode imaginar.

16 Comentários


  1. Ju (posso te chamar assim?), “O pequeno príncipe” é um clássico; ainda não assisti ao filme, mas espero que tenham conseguido manter a singeleza do livro! ^^
    Bem interessante esse lance de intercalar momentos passados e presentes, não sabia que teria essa história “paralela” da menina! 🙂
    E a trilha sonora?! Pelo que ouvi, é maravilhosa!!!!
    Vc me deixou com mais vontade de assistir ao filme; assim que der, vou!!!
    Beijos!
    Nati

    Responder

    1. Pode sim, Nati 🙂 (não é a primeira vez que me chamam assim aqui no blog, mas é a primeira vez que perguntam).
      Na minha opinião, mantem a singeleza mas da uma incrementada, sabe?
      Eu tinha visto o trailer várias vezes mas nem parei pra pensar no que poderia acontecer de diferente. Acabei gostando muito, mas como eu disse, já valeria a pena somente pelas cenas do livro (o stop-motion ficou uma graça).
      Até esqueci de comentar isso na resenha, mas a trilha sonora é mesmo muito boa, toda em francês!
      Espero que goste quando assistir!
      Beijos!

      Responder

  2. Juh, amei sua observação ao filme…

    lia muito esse livro e estou com uma vontade muito grande de assisti-lo…

    tem muita diferença do livro, ou não?

    Responder

    1. Não nas partes que retratam a história do livro em si. O filme foi bastante fiel em relação a isso. Contudo, mais da metade dele conta com uma história atual, que apesar de interligada ao Pequeno Príncipe é totalmente inovadora.
      Assista sim, Aryanne, e obrigada!

      Responder

  3. eu achei o trailer desse filme TÃO lindo e meigo! Adoro a historia do pequeno príncipe e a lição que o livro tem, quando vi que ia sair o filme, fiquei muito feliz xD ainda não tive a oportunidade de ir assistir, mas pretendo ir em breve! Que bom que a dublagem ficou boa e tudo né? acho que é legal assistir dublado quando eles são mais fiéis as falas originais hhaha
    Adorei o post! 😉
    Beijao, Lê

    Osbeneficiosdebebercafe.wordpress.com

    Responder

  4. Oi Ju, tudo bem ? Bom, também assisti o filme e me encantei com a história de uma forma que não consigo explicar para ninguém. Para mim, o personagem mais marcante é a raposa, por causa dos ensinamentos que transmitiu. Confesso que ainda não li o livro, mas me encantei tanto com esta história que também vou ler o livro. Adorei a resenha, muito bem feita. Se der, você pode fazer uma visita ao meu blog ? Obrigada pela atenção, Alice.

    Responder

    1. Olá, Alice! O filme é mesmo ótimo, sei como é não conseguir explicar certas coisas, às vezes o que sentimos com algum filme ou livro é muito pessoal. Recomendo muito a leitura do livro, que bom que você se interessou por ela!
      Muito obrigada! Pode deixar que faço sim a visita em seu blog, e lá comento o que achei 🙂

      Responder

      1. Olá novamente kkkk. Um dia depois que comentei neste post fui procurar O Pequeno Príncipe na biblioteca da minha escola. Comecei a ler e o livro é realmente maravilhoso. Obrigada pela visita no meu blog, fiquei emocionada com os comentários kkkk. Beijão.

        Responder

        1. Fico feliz que tenha lido o livro, Alice!
          Vou retribuir a visita no seu blog, obrigada por voltar aqui!!!

          Responder

      1. ola julia, gostaria que vc me dese um pequeno resumo do filme pq é o trabalho da escola e a professora pediu pfvv

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *