Resenha filme Jurassic World: O mundo dos dinossauros

cinemarden jurassic world
Cinemarden

O mais novo filme da franquia Jurassic Park promete muitas emoções para o público que anseia em rever os tão adorados dinossauros em uma tela de cinema. Muito mais do que agradar, a produção é capaz de surpreender espectadores em busca de uma aventura contemporânea e ao mesmo tempo nostálgica.

Agora “domesticados”, os dinossauros da ilha Nublar podem ser vistos de perto pelas pessoas que, já habituadas a eles, buscam atrações cada vez mais criativas e instigantes. Por isso, equipes fazem experiências genéticas com misturas do DNA de outros animais, em busca de criar espécies mais inteligentes e que garantam a satisfação do público.

Enquanto seus pais estão se divorciando, Gray e Zach são enviados ao Jurassic World para passarem uma semana com sua tia Claire, que lá trabalha como gerente de operações. Contudo, Claire encarrega sua assistente de cuidar dos dois irmãos, pois tem seus próprios problemas com os quais lidar; preocupada com a reputação do parque, precisa garantir que ele continuará atingindo suas metas de crescimento. Para atrair um público ainda maior, a equipe liderada pelo Dr. Henry Wu cria em laboratório um dinossauro com a intenção de se tornar o predador perfeito e uma atração inesquecível aos visitantes.

Ex-militar e agora treinador de dinossauros, Owen compreende como ninguém as necessidades desses animais, que em muito se assemelham às humanas. Especialista em Raptors, com eles busca desenvolver uma relação basedada em respeito e confiança. Facilmente encontra motivos para se revoltar contra Vic Hoskins, chefe de segurança que idealiza utilizar os predadores para compor um exército invencível em um futuro de guerra.

O novo dinossauro do parque, batizado de Indominus Rex, acaba por surpreender a todos mostrando ser realmente o predador perfeito (ou melhor, predadora). Com uma notável inteligência consegue escapar de seu confinamento, iniciando um enorme caos no Jurassic World. Livre para explorar suas habilidades, destrói tudo o que encontra em seu caminho, devorando funcionários e matando por esporte outros animais. Agora, Claire precisará contar com a ajuda de Owen para encontrar seus sobrinhos, enquanto um crescente pânico começa a atingir os milhares de visitantes, uma vez que só é possível sair da ilha através de transportes aéreos ou balsas com hora marcada.

O filme soube usar a tecnologia a seu favor, e é intrigante o terror geral causado pelo dinossauro híbrido solto no parque. Como ponto negativo, diria que o vínculo entre as personagens pareceu superficial em alguns momentos, com dramas um pouco forçados; nada, contudo, que atrapalhe no envolvimento com a trama. Para os fãs que vivenciaram sua infância/adolescência nos anos 90, será difícil não se emocionar com o famoso tema de Jurassic Park logo nas primeiras cenas do novo filme, além da aparição do T-Rex, representando toda a sua glória e maestria. Um filme que definitivamente cumpre a missão de proporcionar nostalgia, trazendo ao público o que há de mais fascinante no mundo dos dinossauros.

11 Comentários


  1. Oi, Julie!
    Muito interessante sua resenha! Esse filme não é nada meu tipo, achei até que era um remake (que viagem a minha!), mas talvez valha a pena assistir pela nostalgia, né? 🙂 Adoro os anos 90!
    Beijos!
    Nati

    Responder

    1. Muitas pessoas pensaram mesmo que era um remake quando o filme foi anunciado. Nem pensei duas vezes antes de assistir, a franquia representa muito pra quem nasceu/gosta dessa década.
      Obrigada pela visita no blog, abraços!

      Responder

  2. dramas forçados, verdade. Achei o T Rex também esquisito indo embora no final, quase dando um beijinho no rosto do restante hahah
    Mas vale a diversão!

    Responder

    1. Acho que nesse eles deram um ar de herói pro T-Rex ainda mais enfatizado, o que achei bem legal. Vale mesmo a diversão. Obrigada, Laís!

      Responder

  3. Assisti o filme com aquela forte sensação de nostalgia. No geral eu gostei, das referências, do uso da tecnologia… mas também achei um pouco forçado, talvez se eu fosse criança isso passaria despercebido. Deixando os mimimi´s de lado, eu gostei, só não recomendo ver em 3D que não fez diferença nenhuma!

    Responder

    1. Concordo com sua opinião, Luana. Comparando com os filmes antigos, da pra notar bastante a diferença no uso da tecnologia, sendo que na época nós achávamos incrível do jeito que era. Obrigada pela visita!

      Responder

  4. Achei muito interessante pôs tenho que fazer um resumo sobre esse filme e essa resenha conta cada detalhe desse filme amei

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *