Resenha Divertida Mente

Riley é uma garota de 11 anos que vê sua vida virar de cabeça para baixo quando se muda com os pais para uma nova cidade. Na verdade, a história começa mesmo com o nascimento dela e da primeira emoção que surge em sua mente: a Alegria. E é justamente a Alegria que comanda a central de controle do cérebro da menina, mesmo após o surgimento de outras quatro emoções: Tristeza, Raiva, Medo e Nojinho (repulsa).

Fazendo questão de cuidar para que a felicidade prevaleça na vida de Riley, Alegria considera que qualquer outra emoção deve ser evitada ao máximo na formação de memórias da garota, que graças a ela teve uma infância predominantemente feliz. Logo, Tristeza não tem espaço algum nas situações de decisão e é praticamente rejeitada pelas outras emoções.

Alegria permanece positiva diante da mudança para a cidade de San Francisco, mas entra em desespero quando Tristeza, após um ato involuntário, toca e deixa azul uma das memórias base, que juntamente a outras formam características da personalidade de Riley. Uma confusão acaba sugando as duas emoções para fora da central de comando, e agora a garota terá seus sentimentos e ações controladas somente pelo Medo, Raiva e Nojinho, o que acaba gerando um transtorno sem tamanho em sua vida, já em turbulência devido a todas as novidades de uma mudança nada agradável.

A maneira como o filme aborda o psicológico de uma garota na fase de transição entre infância e pré-adolescência, além de mostrar também o psicológico dos seus pais e diversos outros personagens do filme (com destaque para os créditos, que contém cenas divertidíssimas) é realmente original e muito bem elaborada. A história consegue passar uma leveza ao tratar de algo tão complexo como a mente humana, e para as crianças creio ser algo que, muito mais do que divertido de assistir, pode sim passar um ensinamento a respeito de suas próprias mentes e a maneira de lidar com os obstáculos que inevitavelmente aparecem na vida.

Clik Palmitinho
Clik Palmitinho

Outro ponto que vale ressaltar é o modo como as personagens são construídas com emoções iguais mas que agem de maneira diferente na mente de cada uma, principalmente no que se refere ao comando da central (a mãe de Riley, por exemplo, é comandada pela Tristeza). Há também o amigo imaginário da garota, tão marcante em sua infância, e a explicação do funcionamento de diversos compartimentos de seu psicológico, como a maneira que determinadas lembranças se tornam traços de sua personalidade enquanto outras são praticamente “deletadas” de sua memória conforme o tempo passa.

Eu já tinha me encantado com o trailer de Divertida Mente, e minha vontade de assistir somente aumentou após todos os elogios que li em diversas resenhas. Creio que isso me fez criar uma expectativa exagerada, pois no final das contas acabei saindo desapontada da sala de cinema, sem entender o motivo de tanto alvoroço por um filme que tanto prometia e em nada me impressionou. Inclusive o curta-metragem antes de o filme começar (Lava), que também foi elogiado em alguns blogs, não conseguiu me cativar em nada e quase me fez dormir.

Não sei se teria acontecido da mesma maneira caso tivesse ido assistir sem conhecimento algum da história ou da opinião geral sobre ela, ou se fiz o certo em me preparar tanto para gostar da nova animação da Pixar assim como todas as outras pessoas. Principalmente, não sei qual seria a opinião da Julie criança a respeito desse filme que tem uma história, no final das contas, bem original. Sou fã de animações até hoje, e sempre me encanto com a simplicidade e o conhecimento que elas podem passar até mesmo para os adultos, por isso fico um pouco triste que não tenha acontecido dessa vez. Contudo, não deixo de tirar o chapéu para a produção e recomendar que sim, assistam e não tenham medo de formar sua própria opinião, sem com isso desrespeitar as demais.

P.S.: se as pessoas que ainda não assistiram ao filme me permitem dar uma dica, assistam com o áudio original caso não estejam na companhia de crianças. Creio que a dublagem foi um dos motivos pelo qual não gostei tanto assim do filme.

23 Comentários


    1. verdade. vim aqui pesquisa um resumo do filme pra escola e ai vejo esse testao. morri mais copiei kkkk

      Responder

      1. Se foi difícil pra você copiar imagina pra mim. Escrevi tudo tirando do cérebro e não da internet hahah mas obrigada

        Responder

  1. Eu quero tanto ver esse filme, só escuto coisas boas sobre ele. Será que leva o Oscar de melhor animação?

    Responder

    1. As chances são grandes, ele realmente esta sendo bastante aclamado pela crítica.

      Responder

  2. Ainda não assisti, mas quero muito. Também tenho lido muitas críticas positivas, mas entendo esse lance de se decepcionar, talvez a expectativa seja a mãe da decepção. Ah, tentarei ver legendado 🙂

    Responder

    1. Nas resenhas eu tento transmitir uma opinião mais completa, por isso acaba ficando grande. Nesse texto, por exemplo, não tem só o resumo de parte da história, mas tudo o que achei sobre ela.
      Obrigada mesmo assim!

      Responder

  3. julie parabens vio vc e muito boa vc
    poderia escrever outras coisas
    tipo desenhos ou filmes
    tipo cinderela branca de neve a bela e a fera a bela adormecida e outros
    de filme pode ser 50 tons de cinza a culpa e das estrelas cidades de papel e outros ai

    olha espero que nao se importe que eu pegue emprestado foi por que minha prof mandou fazer um resumo sobre esse filme e eu n entendi nada e a minha prof e legal e tal mas eu nao quero que ela fique triste cmg sabe eu n gosto que a prof fique triste cmg e muito ruim beijos julie

    Responder

    1. A questao nao é pegar emprestado ou chatear a professora, mas levar credito por algo que voce nao escreveu e no final das contas nao se desenvolver, uma vez que voce poderia tentar entender o filme e escrever de acordo com sua perspectiva.

      Responder

  4. faltou muita parte do filme nem parasse ser um resumo do filme divertida mente !
    mais eu concordo que cada um faz o resumo do seu jeito afinal não somos todos iguais para escrever;falar;ou;desenhar coisas iguais

    bjo. Carolline Wandekoken Almeida

    Responder

    1. Esse não é um resumo, mas sim uma resenha, composta por uma breve sinopse + minha opinião

      Responder

  5. concordo com que a Júlia escreveu as vezes as pessoas ñ consegue entender o filme e procura aguda da Internet e também vc ganha ponto sem que a professora saiba nem toda pessoa consegue gravar o filme todo na mente do as pequenas partes e a Internet serve para isso também e nois Julie escreveu✌

    Responder

    1. É um filme muito bom mas não gostei tanto na época que assisti devido a uma alta expectativa que criei.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *